Registro de preços - vários lotes adjudicados para uma empresa

Prezados,

No meu órgão realizamos REGISTRO DE PREÇOS para material de expediente. Houve troca na gestão e a nova gestão está questionando o resultado. Explico:
A licitação era em lotes/grupos.
Uma determinada empresa venceu diversos lotes, perfazendo um total de 12 milhões.
Porém a nova gestão questiona o fato da referida empresa ter capital social de somente 300 mil reais.
O edital exigia apenas o patrimônio líquido, o que a empresa apresentou OK, e para a análise dos lotes isolados, atendia.
PERGUNTO: tenho respaldo legal para não declará-la vencedora se considerar todos os lotes que teoricamente ela venceu juntos?
Alguém conhece alguma jurisprudência do TCU que verse sobre o tema?

Ana, boa tarde.
O Acórdão 484/2007 Plenário (Sumário) orienta que não cabe condicionar a participação de empresas interessadas em mais de um lote à comprovação de patrimônio líquido de forma cumulativa.

Juliana, primeiramente obrigada por responder. Você sabe se esse entendimento é majoritário?

Oi Ana, sim, esse entendimento é majoritário. Fazendo uma busca rápida sobre o tema, os órgãos da Administração Pública atendem a essa orientação. E também é o entendimento (neste caso não sei se majoritário) dos Tribunais de Justiça (O TJ do Amapá decidiu assim em casos levados a ele. Vide AI 0000069-81.2017.8.03.0000 AP).

1 Like

Entendi. Vou buscar essas jurisprudencias. Super obrigada!!!

1 Like

É importante atentar para o fato de que o Acórdão 484/2007-Plenário teve a redação alterada pelo Acórdão 868/2007-Plenário. A redação final ficou assim:

“9.3.2. estabeleça, no instrumento convocatório, nos casos mencionados no item 9.3.1., critérios objetivos a serem observados, visando a assegurar que somente sejam adjudicados a uma mesma empresa os lotes para os quais apresente os requisitos necessários para garantir o cumprimento das obrigações contratuais assumidas;

Mais tarde, a questão voltou a ser analisada no Acórdão 174/2011- Plenário. Na análise do caso, a área técnica do TCU citou como a situação hipotética poderia ser resolvida na prática:

d) caso depois de abertas todas as propostas, verifica-se que o sujeito eventualmente ultrapassou os limites de sua qualificação econômico-financeira, caberá ao licitante optar por contratações cujo valor corresponda às suas condições. Neste caso, não se trataria de desistir da proposta (o que seria vedado depois da abertura dos envelopes de documentação), mas de identificar os limites da qualificação econômico-financeira da licitante.

Nesse sentido, a instrução do Acórdão 174/2011- Plenário chegou a propor que a redação fosse alterada para ficar mais claro:

9.3.2. estabeleça, no instrumento convocatório, nos casos mencionados no item 9.3.1., critérios objetivos a serem observados caso um licitante apresente melhor proposta para vários lotes, cujos patrimônios líquidos mínimos exigidos, somados, superem o patrimônio da empresa, visando a assegurar que somente sejam adjudicados a uma mesma empresa os lotes para os quais apresente os requisitos necessários para garantir o cumprimento das obrigações contratuais assumidas;

O Ministro Relator, entretanto, não vislumbrou a necessidade de alterar, novamente, a determinação contida no Acórdão nº 484/2007-Plenário.

Veja-se, de qualquer forma, que o espírito do entendimento do TCU já tinha sido emitido na Decisão n. 744/1999-Plenário:

8.2. … nas licitações cujo objeto seja divisível em itens, a exigência de comprovação de capital social ou patrimônio líquido mínimo seja proporcional à participação do licitante nessa divisibilidade

Essa mesma lógica foi reforçada no Acórdão 2197/2015 - Plenário:

9.3.2. a empresa licitante pode participar da disputa de todos os lotes, desde que o edital estabeleça critérios objetivos a fim de assegurar que somente serão adjudicados a uma mesma empresa os lotes para os quais ela apresente os requisitos mínimos necessários para garantir o cumprimento das obrigações assumidas, conforme disposto nos Acórdãos nº 868/2007 e nº 2.895/2014 - Plenário;

Vale ainda citar o Sumário do Acórdão 2895/2014-Plenário:

a empresa licitante pode participar da disputa de todos os lotes, devendo o edital estabelecer critérios objetivos a fim de assegurar que somente sejam adjudicados a uma mesma empresa os lotes para os quais apresente os requisitos necessários para garantir o cumprimento das obrigações contratuais assumidas

Sintetizando, a jurisprudência do TCU vai na linha de que deve-se exigir CS ou PL mínimo em relação a cada item/lote individualmente, mas também deve-se prever no edital critérios para que o licitante somente contrate aqueles itens/lotes para os quais apresente requisitos mínimos proporcionais, ou seja, levando em conta o conjunto de itens/lotes, a fim de garantir o cumprimento das obrigações contratuais assumidas.

Espero ter contribuído.

3 Likes

Olá Ana! Você pode informar qual é o Pregão e o Órgão? Tenho interesse em estudar sobre licitações realizadas em grupos e lotes.

Olá, Ana.

Vi no modelo de edital da AGU a previsão de apenas um critério de julgamento (MENOR PREÇO global do grupo) quando falamos em pregão por grupo. Vi um edital adotando dois critérios: menor preço global do grupo e menor preço por item. Creio que a exigência é demasiada. O que você acha?