Limpeza M² - Preço final - Enacarregado?

Pessoal, boa noite.

Estamos aqui tentando realizar análise de uma contratação para se fazer repactuação…
Então me deparei com uma coisa que não tinha pensado antes.

  1. Numa contratação de limpeza por m², onde Não temos encarregado algum (poucos serventes) é necessário lavar em conta encarregado no preço final conforme está no Caderno Técnico do Comprasnet (ex.: imagem);

image

Sem encarregado diretamente vinculado à execução, ele não deve aparecer na planilha. Há casos em que um dos serventes da equipe assume a função de “líder”, com gratificação, aí essa rubrica entra na planilha, mas de forma diferente da que está no Caderno Técnico

2 Likes

Boa! Franklin, valeu
Mas queria acrescentar outro ponto…

Sabemos de toda a discussão q se tem aqui no nelca sobre a forma de contratação de limpeza por M² e q se deveria se pagar por metro limpo etc.
Porém, observando o caderno tecnico, parece q fazem todo os cálculos da planilha pra se chegar ao custo do empregado e ao final se proporcionaliza esse custo ao M² pra se ter apenas uma ideia do preço do metro limpo.
Talvez eu esteja errado, não sei…

Mas o ponto onde quero chegar é q: se ainda temos contratos onde isto não está tão bem entendido, devemos usar o custo do empregado como preço unitário ou o do metro pra se chegar ao montante mensal?

Obrigado novamente!

É confuso mesmo, Carlos. Na prática, acabamos contratando gente, usando a produtividade apenas como parâmetro para dimensionar a equipe.

Na Central de Compras, estamos tentando mudar esse modelo. Para conhecer a proposta, visite o site da consulta pública que fizemos em dezembro/19:

http://www.planejamento.gov.br/acesso-a-informacao/licitacoes-e-contratos/consultas-publicas

4 Likes

Bom dia. Estou elaborando um processo, mas considerei nas áreas internas, exceto banheiros, que no preço do m2 está incluído, além do piso, as divisórias de vidro, portas, móveis…
Está correto?

Sim, Rosalina. Num modelo padrão, a medida é a área do piso e as atividades de limpeza compreendem os diversos elementos contidos nessa área, como paredes, forro, móveis. A produtividade deve levar em conta esses fatores.

2 Likes

Outra dúvida: tenho, mais ou menos, uns 200 m2 de janela com risco. O restante, banheiros, janelas sem risco, piso frio uns 3.000.
Acredito que em torno de 4 funcionários. Obrigatoriamente tem que ter um encarregado?

1 Like

Rosalina, isso depende muito das condições do local, necessidades específicas, vantagens esperadas da coordenação de equipes. Em geral, para equipes pequenas, não é muito racional ter um encarregado exclusivo.

Uma vez, ajudei uma unidade da Polícia Federal a modelar sua licitação de limpeza. A equipe estimada era de 6 pessoas. Não fazia sentido ter MAIS 1 pessoa só coordenando a equipe. Aí, optou-se pela figura do líder de equipe, que, nesse caso, pela CCT, ganharia uma gratificação. Qual a diferença entre “líder” e “encarregado”? O primeiro atua normalmente na limpeza. O segundo, só coordena a equipe, não limpa.

O líder de equipe, obviamente, não tem a mesma produtividade em relação aos demais, porque parte do seu tempo ele dedica à coordenação de atividades dos outros. Mas isso não chega a afetar significativamente as estimativas de produtividade geral, até porque, com a liderança, costuma ocorrer maior eficiência nas atividades desenvolvidas pela equipe.

Franklin Brasil
Autor de Como Combater o Desperdício no Setor Público

Autor de Como Combater a Corrupção em Licitações

Autor de Preço de referência em compras públicas

2 Likes

Franklin, quanto ao custo da abertura da conta vinculada e manutenção mensal: o valor estimado deve ser incluído na planilha de custos? Se for o caso, Em qual item?

Rosalina, se você tiver razoável certeza de que existirá esse custo, creio que ele pode integrar a estimativa e, nesse caso, faria sentido compor o módulo de insumos, mas, em geral, o entendimento que tenho visto é o de que isso está embutido naquela rubrica Custos Indiretos, também conhecida por Despesas Administrativas.

Franklin Brasil

1 Like

Franklin, embora o cálculo tenha dado 6,32, posso definir uma quantidade menor de funcionários?
Para o valor do metro quadrado da esquadria externa com risco, semestral:
1/130 * 8 * 1/1.148,40? O resultado eu multiplico pelo valor que obtive na planilha de custos?

@Rosalina eu acho mais interessante destacar na planilha separadamente dos custos indiretos para facilitar o cálculo nas repactuacoes, assim Como citei em outro tópico:

1 Like

Rosalina, seus cálculos exigem correção. As produtividades de esquadrias precisam ser ponderadas pela frequência. Explico.

As esquadrias do seu caso têm produtividade em jornada de 8h de 300m2. E você previu que serão limpas a cada 15 dias (é realmente necessária essa frequência?).

Então, veja que a produtividade em 8h será efetivamente exercida 1x a cada 15 dias.

Isso significa que, no seu caso, 1 servente, trabalhando 8h, consegue limpar 300m2 de esquadria, o que representa 37,5m2 por hora de jornada. Só existem 319m2 desse tipo de área a ser limpa. Ou seja, 1 servente consegue limpar TODA a esquadria existente em menos de 8,5h de jornada. Vamos arredondar, para simplificar, para 1 dia de trabalho. E uma vez limpa a esquadria, só haverá nova limpeza depois de 15 dias.

Então, tudo isso significa que, para estimar a quantidade de serventes para limpar as esquadrias, precisamos levar em conta cálculos mais complexos.

Isso está representado na IN 05/2017, que adota o coeficiente “Ki”.

Seguindo os parâmetros da IN, a coisa se calcula assim:

Área física a ser limpa = 319m2
Produtividade diária (8h) = 300m2
Horas trabalhadas na limpeza da esquadria no mês = 16h (2x/mês = 1x a cada 15 dias)
Total de horas trabalhadas no mês = 188,76h (jornada de 44h/semana, parâmetro da IN)

Estimativa de quantidade de serventes:

(319/300) * (16/188,76) = 0,1 servente (arredondado)

Na prática, isso representa o seguinte: 10% do tempo total de um servente no mês será usado para limpar, 2x ao mês, a esquadria, com produtividade de 300m2 numa jornada de 8h.

Se a limpeza da esquadria fosse realizada TODOS os dias, como acontece, em geral, com os pisos frios, aí, sim, seria apenas 319/300 = 1,06 servente.

É muito importante entender como funciona a produtividade diária e a interação desse parâmetro com a periodicidade e a frequência das atividades de limpeza em cada tipo de ambiente.

Veja que, de forma similar, a mesma lógica precisa ser aplicada à limpeza das esquadrias com risco, só que o fator de ponderação será diferente, porque a frequência é 1x a cada semestre.

Fica assim:

Área física a ser limpa = 185m2
Produtividade diária (8h) = 130m2
Horas trabalhadas na limpeza da esquadria no mês = 1,33 (1x/semestre = 1/6 * 8h)
Total de horas trabalhadas no mês = 188,76h (jornada de 44h/semana, parâmetro da IN)

(185/130) * (1,33/188,76) = 0,01 servente

Ou seja, será provisionado 1% do tempo total de um servente no mês para pagar a limpeza, 1x a cada 6 meses, da esquadria com risco, com produtividade de 130m2 numa jornada de 8h.

Com isso, sua equipe estimada será de 3,95 pessoas. Sugiro ajustar para arredondar para 4 pessoas, para simplificar.

Franklin Brasil
Autor de Como Combater o Desperdício no Setor Público

Autor de Como Combater a Corrupção em Licitações

Autor de Preço de referência em compras públicas

3 Likes