Pesquisa de Preço envolvendo empresa MARKETPLACE

Prezado(a), boa noite.

É permitido legalmente realizar pesquisa de preço envolvendo empresas MARKETPLACE? Por exemplo, quando acessamos sites de domínio amplo, por exemplo o site Submarino, encontramos diversas empresas cadastradas como marketplace ofertando materiais.
Caso seja vedado, qual o fundamento normativo?

Obrigado.

1 Like

No âmbito do MPF temos um normativo próprio que proíbe expressamente, não sei se assemelhado a algum outro do executivo federal.
Minha recomendação é que mesmo se não for vedado, não é recomendável. O vínculo jurídico é muito fraco, e as empresas se utilizam da imagem dos grandes portais para parecer que são confiáveis, mas quando se tem problema, nenhum dos dois resolve. Eu mesmo já tive uma experiência pessoal neste sentido envolvendo o Walmart. Fiquei sem produto e dinheiro, e ainda perdi meu tempo na justiça.
O único marketplace sério, que vejo que há um efetivo controle e que vive disto é o Mercado Livre.
De toda a forma, para cotação de preços, e assim definir o valor máximo a ser contratado, não é interessante. Dada a alta concorrência, entre formais e até informais, os preços lá são mais baixos que os do mercado em geral, por vezes inexequíveis, e refletem uma outra condição de fornecimento e pagamento, que não ocorre no governo. Melhor pegar, sempre que possível, contratações públicas e/ou preços cheios de portais. Na licitação, a própria disputa fará com que se chegue a preços mais baixos. Inclusive, há a hipótese (não sei se descrita em algum estudo, mas muito comentada informalmente) que um preço máximo já muito próximo do mínimo acaba restringindo a competitividade e, com isto, é bastante comum se pagar mais caro do que a partir de um preço máximo inicialmente mais alto, que atrai mais gente para a disputa.