Republicação de licitação deserta com exclusividade de participação para ME/EPP

Bom dia!

Estamos com uma dúvida sobre como devemos prosseguir com um Pregão publicado com participação exclusiva para ME/EPP por causa do valor.

Acontece que essa licitação foi deserta e pretendemos republicá-la.

Segundo o Setor Requisitante, a licitação foi deserta justamente por causa da exclusividade.

A dúvida é se podemos republicar este certame com ampla participação ou deveríamos tentar mais uma vez com participação exclusiva de ME/EPP.

Se for possível republicar com ampla participação, seria necessário submeter à Análise Jurídica da CJU novamente?

Em relação a publicação da licitação sem a exclusividade de participação, um ponto de partida seria analisar uma das hipóteses constante no art. 10 do Decreto n.° 8.538/2015. Entendo que sendo comprovada uma das hipóteses elencadas neste artigo, seria justificado a não aplicação do benefício. Entretanto, podem haver outros motivos que resultaram na licitação deserta, como descrição do objeto mal elaborada ou valor de referência (subestimado) que não condiz com a realidade do mercado, etc. Deve se investigar o motivo.

Em relação ao parecer jurídico, entendo que se há alteração relevante no Edital a ser relançado em novo processo de licitação, deveria ser novamente apreciado pelo órgão jurídico.

2 Likes