Licitações paralisadas (Pregões, TP, Concorrência)

Em 2021 inicou-se uma nova gestão, novo prefeito, novos secretários. Supondo que a administração anterior deixou vários processos por concluir: uns faltando contrato, outros faltando a Ata RP e contrato, outros (TP) faltando julgar habilitação, julgar propostas. Tendo em vista que já passou um bom tempo e considerando a validade da proposta - que expiraram -, é possível dar prosseguimento a tais licitações? Ou seria mais prudente REVOGAR/CANCELAR?

Essa é uma pergunta com muitos linhas de ação. Ao realizarmos o processo licitatório devemos levar em conta também o trabalho das empresas licitantes. Um processo licitatório só pode ser revogado ou cancelado com uma justificativa pertinente para tal ato (Art. 38, Inc IX da lei 8.666/93). Creio que uma solução inteligente seja verificar a possibilidade de entrega dos itens pelas empresas vencedoras, isso pode ajudar a definir quais pregões poderão ser aproveitados e quais devem ser revogados/cancelados visando um novo processo licitatório.
Nos casos de propostas que aguardam julgamento: O fim de tempo de validade da proposta desobriga o licitante em fornecer os itens ou prestar o serviço, logo, é prudente entrar em contato com o mesmo e verificar o interesse em manter o valor, enviando nova proposta. Caso o fornecedor se recuse, será liberado da obrigação sem nenhuma penalidade (Art.7º Lei 10.520) devendo o pregoeiro entrar em contato com o responsável pelo lance subsequente ao item e repetir o processo.
Nos processos já homologados: A validade da Ata de Registro de Preços será de 12 (doze) meses, a partir da homologação, não podendo ser prorrogada. Assim, o fornecedor tem a obrigação de fornecer o material pelo prazo restante, devendo a vigência da Ata respeitar esse interregno.