Dispensa - Aquisição de Token e Renovação

Bom dia!
No órgão que trabalho (Instituto Federal) foi aberto este ano um processo de Dispensa para aquisição de Tokens e-cpf e renovação de tokens.
Contudo durante a fase de instrução do processo onde foi levantado as demandas teve unidades que não enviaram as demandas e acontece que o processo foi realizado e agora servidores dessas unidades estão com Tokens a vencer e outros precisando de tokens para acessar os sistemas governamentais siasg, scdp e dentre outros.
Fui informado que não é interessante a minha unidade abrir uma dispensa tendo em vista que isso seria fracionamento de despesa, e sim realizar um Pregão Eletrônico.

Gostaria da opinião de vocês sobre isso, ainda mais que a usuários que estão com tokens a vencer nos próximos 30 dias.

Bom dia! Se há usuários que estão com tokens a vencer em 30 dias, talvez uma saída interessante seja a adesão à SRP. Realizar outra dispensa de licitação ocasionaria fracionamento de despesa. O pregão eletrônico talvez não desse tempo.

Obrigado! A dúvida era essa!

Prezados, na minha opinião, se não ultrapassar o limite previsto de valor para dispensa no exercício, não configura fracionamento.
Seria fracionamento, se o valor total no ano para a despesa ultrapassasse o limite para dispensa e a comissão realizasse várias contratações diretas com valores menores, visando fugir da licitação. Ou no caso de falta de planejamento da contratação para o período fizer dispensa indevida.
Se a soma da contratação anterior e a que ainda deve ser realizada não ultrapassar o limite para dispensa, a realização de pregão poderia consignar falta de gestão, considerando-se o custo de um pregão.
Se alguém discordar me corrija!

Vai depender de qual foi o enquadramento da Dispensa de Licitação.

Não se esqueçam de que, além do inciso II, que prevê a Dispensa por valor (é nessa, principalmente, que ocorre fracionamento ilegal), temos ainda outros 34 incisos no Art. 24. TODOS são Dispensa de Licitação, mas poucos têm possibilidade de caracterizar fracionamento.

A esmagadora maioria dos incisos não tem limite de valor. Portanto, não se fala em fracionamento nestes casos.